Sofia C. Pereira

Click on the title and read a little about the author... / Carregue no título para ler um pouco sobre o autor...
for blog-interview post


Sofia C. Pereira

Take a look at a story about my book, The Food Anthropologist, on Thrive Global.
/
Vale a pena ler a história do meu livro, The Food Anthropologist, no Thrive Global.

Tags:
Sofia C. Pereira

When nothing is certain, everything is possible / Quando nada é certo, tudo é possível

Over the last weeks, I’ve often thought about the inherent fear that we humans have of change, which unfortunately seems to increase as we age. In fact, we sometimes even worry about the things that are stable, never mind the ones that are undergoing transformation. Today, I want to share with you my personal feelings of anxiety and distress around the unknown as well as how I deal with them. 

One of the issues that most worries me is my profession. Don’t get me wrong, I absolutely love what I do and have no doubt that it is exactly what I am supposed to be doing. But my career is still transitioning from that of a hard-core scientist to that of a health coach with an established business, and the financial uncertainty of the future that comes with being an entrepreneur sometimes gets to me. On the other hand, the learning curve has been tremendous, and I thoroughly enjoy my teaching, my clients, as well as the whole experience of writing and publishing my first book

It is not my intention to write a long story today about the role of stability on mental strength and resilience, but I do feel that it is important to have some aspects of our lives solidly established to positively confront the ones that are changing. Our stability and self-worth are multi-faceted and differ from person to person, coming from things such family, work, a sport, friends, your home, a community group, cooking, an interest such as painting or photography… and so on. 

I personally find that my internal strength is directly associated with the number of aspects that are established and ok in my life. And the more solid I am internally, the greater my capacity to face change is. Therefore, when I feel unstable, I start off by thinking of three aspects in my life that are at their best at that moment,. Focusing on these helps me gain from their solidity, and brings mental stability in an otherwise unpredictable time. Also, what is good and stable serves as my basis for expansion, and thus to reinforce and solidify other aspects of my life as well as to explore the unknown… 

As unsettling as change can be, the idea of avoiding change to evade pain or failure is even more terrifying to me, since it is precisely change that is needed for growth and improvement. Also, truth be told, change is inevitable… as nothing in life is static. 

In the face of the unknown, I find it really helps to consciously take control of what I can in a directed and creative manner without spending superfluous time on worrying. When I do get that inevitable “heavy chest” or “shaky brain” feeling, I take deep breath and bring myself back to my solid place and focus on what I can control. 

It always helps me to remember my intentions… and to relish in going beyond my current limits. There is something wonderful about the unknown… because when nothing is certain, everything is possible. 

Note: This story was published on Thrive Global on August 22, 2017. Link: https://www.thriveglobal.com/stories/11825-when-nothing-is-certain-everything-is-possible

Quando nada é certo, tudo é possível

Nas últimas semanas, tenho pensado frequentemente sobre o medo inerente que nós humanos temos da mudança, que infelizmente parece aumentar à medida que envelhecemos. Às vezes, até nos preocupamos com as coisas que estão a correr bem e que não estão em fase de transformação. No meu blog de hoje, vou partilhar com vocês os meus sentimentos de ansiedade e angústia do desconhecido, e como é que eu lido com a mudança.  

Um dos aspetos da minha vida que mais me preocupa é a minha carreira. Não me interpretem mal, gosto imenso do que faço e não tenho nenhuma dúvida de que é exatamente o que devia estar a fazer. Contudo, ainda estou em transição de ser cientista a tempo inteiro para ser um “health-coach” com uma carreira estabelecida, e às vezes tenho dificuldade a lidar com as incertezas associadas a ser empreendedora. Por outro lado, a curva de aprendizagem tem sido tremenda! E, neste ultimo ano, tenho desfrutado imenso de dar aulas, das consultas com os meus clientes, bem como toda a experiência de escrever e publicar o meu primeiro livro

Não é a minha intenção escrever uma longa entrada sobre a importância da estabilidade na força mental e na resiliência, mas por outro lado, sinto a necessidade de mencionar a importância de ter alguns aspetos da nossa vida estabelecidos e sólidos para confrontar de forma positiva aqueles que estão em transição. A nossa estabilidade e autoestima são multifacetadas e individualmente diferentes, provenientes de peças como a família, trabalho, desporto, amigos, o lar, um grupo comunitário, cozinhar, interesses tais como pintura ou fotografia... e assim por diante.

O meu estado mental interno está grandemente associado ao número de aspetos que estão bem na minha vida. Quantos mais componentes estiverem sólidos, maior é a minha capacidade de enfrentar a mudança de uma forma positiva. Quando me sinto instável, tento focar e pensar nas três coisas da minha vida que estão mais estáveis no momento, e ganho conforto com a sua solidez. Isso ajuda-me a manter alguma estabilidade mental em tempos imprevisível. Isto serve como a minha base para a expansão, não só para reforçar e solidificar outros aspetos da minha vida como para explorar o desconhecido…

Por muito preocupante que a mudança possa ser, a ideia de evitar a mudança para escapar à dor e ao medo de falhar é ainda mais aterrorizante. Pois é precisamente pela mudança que crescemos e melhoramos. Também, verdade seja dita, a mudança é inevitável... como nada na vida é estático.

Em face do desconhecido, o que realmente me ajuda é assumir o controle daquilo que posso controlar, de uma forma dirigida e criativa, e sem gastar tempo supérfluo a preocupar-me com aquilo que não tenho capacidade de mudar. Quando tenho os inevitáveis momentos de "peito pesado" ou "cérebro a tremelicar", respiro fundo para voltar ao que está sólido e voltar a concentrar-me no que eu posso controlar.  Ajuda-me sempre relembrar as minhas intenções... e aproveitar o prazer de explorar o desconhecido e de ultrapassar o meus limites atuais. Há algo maravilhoso sobre o desconhecido... quando nada é certo, tudo é possível.